No passado fim de semana estive em Barcelona, era cidade que já conhecia, mas tento sempre regressar ás cidades que gosto muito, acho que só assim consigo disfrutar totalmente esse local, a primeira vez há sempre a preocupação de querer conhecer, de não querer deixar nada sem ser visto, nos regressos já não há essa preocupação, já conhecemos e então pudemos apreciar as situações com outro olhar, já vamos aos locais não para conhecer, mas para apreciar.
Contando com uma promoção da Vueling e comprando uma ida e volta por 50€ (sim 50, não é engano), juntando alguns amigos e aproveitando o período de "rebajas", estava escolhida a altura ideal para o regresso a Barcelona, ainda para mais quando depois se veio a confirmar que ainda nos seria possível assistir ao vivo ao nosso Glorioso.
À chegada a Barcelona tinhamos o Alberto á nossa espera (o Alberto é italiano, de Pádova, Ultra do Milan e de momento trabalha como cozinheiro num Hotel de luxo na periferia de Barcelona, conhecemo-nos quando veio a Lisboa com outro amigo, o Filipe Alloin, ver o Benfica-Porto da época passada. O Filipe Alloin é Francês de Marselha e do Marselha, também é cozinheiro profissional, colega do Alberto, filho de mãe portuguesa, foi através desse laço que nasceu o amor pelo Benfica. Foi através dessa paixão comum pelo Futebol que nos conhecemos e se criou a nossa amizade. Ambos têm o Hobby de viajar pela Europa para ver Futebol) para nos levar ao nosso Hotel, o Medium Abalon Hotel, na zona de Grácia, um bairro residencial Catalão, muito próximo da Sagrada Família. Nenhum de nós conhecia o Hotel, mas acabou por se revelar uma escolha acertada, económico (40€/casal/noite), bem localizado, pequeno mas confortavél e até Net grátis tinha, sempre útil para acompanhar os resultados da Bola. Depois de nos deixar no Hotel o Alberto teve de regressar a sua casa nos arredores da cidade.
Fomos então procurar o jantar, através de um guia que levávamos, descobrimos um restaurante com o sugestivo nome "Casa Amalia", que ficava no bairro do L´eixample (um autêntico exemplo de arquitetura e de ordenamento de uma cidade). Comemos bem e não pagámos muito, ficámos foi sem saber se aquele restaurante tinha alguma raìz Portuguesa, mas pelo delicioso Bacalhau que serviram devia ter. De seguida dirigimo-nos para a famosa Plaza da Cataluna, onde já nos esperava o Filipe, para irmos beber um copo. O local escolhido para tal, foi um bar na Plaza Real, mais parecia uma taberna, com grandes mesas de madeira e balcão de mármore, local agradável com uma cerveja preta de estalo. Não prolongámos muito a noite, o dia tinha sido longo, o cansaço apertava e o dia seguinte também ía ser intenso, assim despedimo-nos do Filipe que nos deixou no Hotel e fomos descansar.
No dia seguinte aproveitamos a manhã para dar um passeio por Barcelona, o tempo estava frio mas agradável, com o sol a dar a tonalidade perfeita á Sagrada Família. De seguida dirigimo-nos para o centro da cidade, onde realmente se consegue sentir o pulso a esta cidade, mais uma vez Las Ramblas, Barrio Gotic e El Raval, foram os locais escolhidos para passar a tarde. Almoçamos num restaurante no Raval, o Organic, quem tem a ideia que é impossível encher a barriga num vegetariano, desengane-se, com um menu completo por 10€, come-se até não poder mais, eu não consegui comer tudo a que tinha direito, para terem uma ideia. O resto da tarde foi passada entre as Tiendas com rebajas e as ruas apertadas do Bairro Gotico, pelo meio uma entrada num Irish e um espectaculo de rua impressionante, um argentino tomou de assalto a Praça da Catedral e com o seu "Diablo" (lembram-se??) deu um show incrivel a todos os transeuntes que tiveram a felicidade de por ali passar aquela hora, só visto!!
O final da tarde serviu para ver outro amigo, o Fran, adepto do Espanol, por entre umas "canas" pos-se a conversa em dia, claro que os temas principais, não poderia ser outro, Futebol e Ultras.
Depois de uma negociação dificílima, chegámos a acordo para o local da janta, La Barceloneta foi o local escolhido, zona ribeirinha da cidade no final das Ramblas, umas docas em ponto grande, para terem uma ideia, mas para quem não queria gastar muito dinheiro, não parecia ser a escolha acertada, o que se veio a verificar depois de termos metido conversa com o taxista que nos leu logo o sermão " ...jantar na Barceloneta sem gastar muito dinheiro, só se comerem dois e os outros ficarem a ver!", era imperioso mudar a estrategia rapidamente e à boa maneira "tuga" lá pedimos ao "fogareiro" para nos safar. Eu sei que confiar o destino nas mãos de um fogareiro não é uma atitude inteligente, mas para além de não termos outra alternativa, o "chefe" parecia ser um tipo ás direitas (nada a ver com politica, entenda-se). Levou-nos ao restaurante do Sr. Antoni, um amigo Galego, numa zona a Oeste do centro, disse-nos que ali estavamos bem entregues e que poderiamos comer a melhor carne de Barcelona por um preço justo. Tudo se veio a verificar, muitos tipos de carne, todos com passagem obrigatoria pelo grande braseiro que existia na cozinha, soculentos e saborosos. No final o preço foi outra surpresa, num futuro post, vou deixar aqui a morada deste restaurante, para um dia que vão a Barcelona, puderem constatar ao vivo do que vos falo.
O final do dia estava próximo, o dia seguinte seria o do regresso. De manhã ainda tivemos tempo de tomar o pequeno almoço no centro, para depois apanhármos as malas no Hotel e seguir para o Aeroporto.
Na chegada a Lisboa, esperava-nos o Tiago, que teve a simpatia de nos ir buscar, já de cache do Benfica, pois daí a poucas horas, havia jogo na Luz, frente á Académica. Fomos a casa pousar as malas e.... Luz com eles. Ganhámos sem contestação, na primeira parte não jogámos grande coisa, talvez pelo golo ter aparecido tão cedo, mas na segunda metade, depois de alguns ajustamentos, saídas de Miccoli e Robert, para entradas de Geovanni e Manduca, não demos qualquer hipoteses. 3-0, mais um jogo sem sofrer golos, melhor em campo para mim, Luisão.