Restaurant Week pelo Eleven

Terminei mais uma edição do Restaurant Week na companhia da Sra Joli e um casal amigo no Restaurante Eleven. Nunca tinha tido oportunidade de ir ao Eleven, e como é óbvio não é através de uma visita, ainda para mais no Restaurant Week que se consegue avaliar seja o que for. Seguem as fotos e pequenas apreciações.

A vista e a sala de restauração são dois pontos muito fortes do Eleven.
A área de restauração é muito boa, é mesmo das melhores que conheço. Muito grande, distancia correcta entre mesas o que proporciona uma privacidade confortável, muita luz natural que entra pelos enormes janelões, e a vista absolutamente fabulosa que começa no Jardim Amália Rodrigues, atravessa o Castelo e só termina no Tejo. Tudo acompanhado por uma decoração elegante mas sóbria, para não ocupar muito os sentidos do essencial, a comida.

O menu preparado para o Restaurant Week: Aperitivos ou amuse-bouche para os mais chiques. Bons, dentro da normalidade.
Nas entradas: Salada de bacalhau de meia cura com pesto. Muito bom, dos melhores pratos da refeição...

... e Crocante de pato confit com vinagrete de frutos secos. De crocante não tinha nada, a massa estava mole, como se tivesse sido aquecida e o pato desfiado do recheio também achei muito seco. Muito fraco.

Nesta edição do Restaurant Week por mais 5€ era possível optar pela sugestão Peixe em Lisboa, que no caso do Eleven era Corvina ao Vapor de Citrinos sobre couve estufada e molho de soja. Juntamente com a salada de bacalhau, outro momento alto do almoço.

Saltimboca de porco preto alentejano com polenta cremosa e azeite de trufa. Estava bom, mas não foi um prato que me seduziu.

As duas hipóteses para a sobremesa eram, Caneloni de gianduja com framboesas e molho de baunilha (muito, muito boa). Ou...
... um prato de fruta!? Como os que comemos em casa.
Mignardises, onde pontificam as telhas de amendoa do Chef Koerper. Realmente muito boas.

Uma pequena referência ao serviço de loiça, muito bonito.
A carta de vinhos é fantástica, mas os preços são absolutamente pornográficos. Os copos são bons e a temperatura de serviço foi aceitável. Bebeu-se Duorum Tinto 2007, que talvez fosse a referência com preço mais justo (queria dizer, menos injusto (29€).
O serviço mostrou-se muito agradável, simpático, nada de muito formal (o que pessoalmente gosto) talvez imbuído do espírito Restaurant Week, e bastante profissional apesar de algumas falhas.
Foi uma refeição agradável, mas já comi muito melhores no Restaurant Week. O Eleven não pode valer só isto, fica a curiosidade para voltar e conhecer um dos menus fixos.
Em jeito de balanço e ao fim da terceira edição em Lisboa, dá para perceber que não são muitos os restaurantes que conseguem manter o mesmo padrão de qualidade através dos menus Restaurant Week, onde quase sempre são apresentados menus que deixam a desejar quando se faz a inevitável comparação com visitas anteriores. Penso que é um desafio que os responsáveis do espaços participantes têm pela frente. Mas é um desafio que vale a pena enfrentar, pois esta iniciativa merece, e como se já não bastasse um euro de cada refeição reverter para instituições de solidariedade social, ainda é a única oportunidade que certo público tem de visitar determinados restaurantes. E ainda há o lado comercial, claro.