Prova Niepoort na Garrafeira Nacional

Tudo o que a Niepoort faz é um acontecimento e a prova desta semana na Garrafeira Nacional não fugiu à regra. Casa cheia para provar os novos e "velhos" vinhos da Niepoort, muita gente conhecida, habitués destas andanças, entusiastas, bloggers, curiosos e até turistas de ocasião.
Cheguei por voltas das 18:00 e a coisa tinha acabado de começar. A prova foi apresentada por Nicholas Delaforce e João Rico, e começou com uma importação da Niepoort o Champagne R & L Legras, depois o Tiara Branco 2009, um branco de vinhas velhas muito interessante, de seguida estava anunciado o Redoma Reserva Branco 2009 mas não se confirmou, passou-se de imediato para os tintos por esta ordem, Vertente, Redoma, Batuta e Charme todos de 2008, o meu gosto preferiu o Batuta ao Charme. De seguida chegavam os dois grandes momentos da prova, o Robustus 2007 e o Vintage Port 2009, dois vinhos belíssimos. O tinto, ainda um recém nascido, mas mesmo assim a já dar muito prazer e a comprovar 2007 como um dos grandes anos do Douro e o novo Vintage a ser uma muito agradável surpresa. Pelo meio ainda houve o Porto Bioma Vinhas Velhas 2008 que acabou ofuscado pelo portento do Vintage 2009.
Conto em breve deixar as notas de prova na minha página no Adegga
E assim foi mais uma bela prova na Garrafeira Nacional, onde os finais de tarde de quinta feira começam a tornar-se o "happening" dos apreciadores de vinho em Lisboa. Para a semana, soprou-me um passarinho, vamos ter mais um nome de respeito. Quinta de Soalheiro (sujeito a confirmação).
Por último, gostava de realçar a excelente estratégia de divulgação que a Garrafeira Nacional tem adoptado para promover estes encontros, seja na sua página do facebook religiosamente actualizada, ou através de mailing list, com a informação a chegar atempadamente aos interessados. È bom ver uma casa mítica de Lisboa não se sentar à sombra do sucesso, e adaptar-se aos novos tempos, rejuvenescendo-se, e rejuvenescendo a sua clientela.