Chateau London

Richard Sharp, jornalista freelancer e especialista em projectos de intervenção urbana pelo método de "guerrilha", numa viagem de férias que fez a França ficou curioso com o espírito comunitário das colheitas de uvas feita pelos aldeões franceses, que lhe serviu de inspiração para importar a ideia e criar um novo conceito. Vinhas urbanas.
Londres é uma cidade onde as pessoas têm orgulho nos seus jardins e por uma questão estética acabam por cultivar videiras sem darem utilidade às uvas. Pegando nessa ideia, Richard colocou um anúncio num jornal londrino a convidar esses micro produtores a confiarem-lhe as suas uvas, que ele se encarregaria de produzir os seus próprios vinhos.
A ideia, meio louca, demorou a ter alguma aceitação, mas foi assim que nasceu a Urban Wines, que acabaria por produzir em 2007 através deste método as suas primeiras 20 garrafas.
Ao inicio o projecto chegou a gerar alguma desconfiança aos proprietários, conforme confessou Ann Warner que hoje agradece existir alguém que a livre daqueles quilos de uvas que não sabia o que lhes fazer. Mas agora sente-se muito contente em produzir o seu próprio vinho através da Urban Wines, e apesar de só ter direito a seis garrafas por colheita, é com imenso orgulho que serve aos seus convidados uma garrafa de Chateau Warner personalizada.
O projecto foi-se desenvolvendo e em 2010 a Urban Wine já produziu 1300 garrafas, e as 1200 que produziu em 2009 foram todas vendidas por 8 libras a membros e 9 libras ao público, tornando a empresa rentável.
Agora já são mais de cem os londrinos que confiam as suas uvas, criadas nas suas janelas, varandas, ou jardins, à Urban Wines para produzir os seus próprios vinhos. Uns participam apenas com 3 quilos (o mínimo exigido) outros com mais de cem.
Não sei se existe alguma região demarcada urbana, mas a continuar o sucesso crescente da Urban Wines, Londres até pode vir a ser a primeira.

Fonte: AFP